Quinta-feira, 19 de Abril de 2007

Discografia

"Why jazz"


Perseguida anos a fio pelos jornalistas com a pergunta "Maria Anadon, porquê o Jazz?", Maria grava o seu primeiro C.D., em 1995 intitulando-o de "Why Jazz?". Acompanhando pelo quarteto feminino norte-americano Unpredictable Nature, na contracapa responde: That's Why!". Este trabalho, gravado em inglês, foi contemplado pelo Ministério da Cultura com manifesto de interesse Cultural.
Por outro lado a crítica teceu comentários como "As Luzes da ribalta de um teatro imaginário poderiam iluminar a música de Maria Anadon" (Independente),
"Anadon canta bem como Ella, Carmen e Sarah" (Visão), "Anadon, é um vendaval Português de suavidade" (Marie Claire), "Maria espreguiça-se com saber e sentir nos tempos, e tem uma voz clara, terna e quente"(Diário de Noticias), "...com a nauralidade de quem sente cada palavra que diz, mas também cada nota que ouve" (Expresso), ou ainda, " A voz sempre como cumplice, em vez de patroa dos instrumentos.." (Público).

"Cem anos"

Entretanto surge "Cem Anos", o segundo C.D., a editado pela Movieplay/Grove, um trabalho cem por cento Português e que consiste na recriação e devolução à contemporaneadade, de temas que serviram de bandas sonoras ao Cinema Português.
A voz de Maria, é assim o fio condutor que atravessa um século de história, com músicas que datam desde 1918, de compositores como: António Pinho Vargas, Carlos Paredes, Manuel Jorge Veloso ou Tomás Pimentel entre outros.
Para algumas composições que originalmente não apresentavam texto, foram convidados poetas e letristas contemporâneos, outras a voz é totalmente utilizada como instrumento fazendo naipe com os metais.
"Cem Anos" é um trabalho Lusitano que recolhe influências várias: o Fado de Lisboa, o cheiro a Café de África, os sons da América Latina e o ambiente dos clubes de jazz de New Orleans.
Também este trabalho foi merecedor do Manifesto de Interesse Cultural.
Os concertos, consistem na fusão dos dois trabalhos discográficos, denunciando assim a universalidade do Jazz em momentos mágicos, como o da colagem dos temas "Caravan" e "Verdes Anos".
A aceitação deste trabalho é anunciado pelas primeiras críticas das apresentações ao vivo. Victor Afonso escreve, "O Feitiço de Maria Anadon.. a sua voz tem enfeitiçado críticos e plateias", "O sexteto de Maria Anadon, por uma noite alternativa!".
Em paralelo, inicia o seu trabalho o Maestro António Saiote, onde interpreta e grava ao vivo, alguns temas do cinema Norte-Americano acompanhada pela Orquestra Invicta de Clarinetes.

"Terra de Zeca"



"Viagem de um som"




publicado por mariaanadon às 17:24

link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.posts recentes

. Luz de Outono

. Jazz de Luxo em Oeiras

. HOJE: a estreia em palco ...

. VOZES3 com Maria Anadon

. Ao Vivo no CCB - 5ªf, 5 d...

. Podcast Marginante

. Marginante com Maria Anad...

. Ao vivo no Arena Lounge d...

. After-Hours em Cascais

. Ao vivo na Esplanada do T...

.arquivos

. Julho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. agenda

. antevisões

. ao vivo

. arena lounge

. biografia

. casa da guia

. cascais

. casino estoril

. casino lisboa

. ccb antevisões

. concerto

. critícas

. críticas

. discografia

. entrevista

. fotos

. imprensa

. jn

. lisboa

. luz de outono

. marginante

. michele ribeiro

. oeiras

. rádio europa lisboa

. showcase

. teatro nacional d. maria ii

. voz

. vozes3

. todas as tags

.links

.apoios